07/03/2014

Barbara Mori, arriscada e sensual em Dos Lunas


Passou nove anos para a atriz voltar à televisão. Em uma entrevista,  Barbara diz o por que se afastou por tanto tempo das telinhas.

Cada capítulo de Dos Lunas, a nova serie de televisão da Barbara Mori, tudo começa com Soledad, a psicóloga quem ela interpreta, que a cada capítulo trata de um paciente diferente. Mas só depois se da conta que ela necessita de tratamento, já que sofre de dupla personalidade e não sabe. Luna, seu outro ego, resulta em ser uma DJ amante da vida noturna, totalmente oposta de Soledad. 

A serie vai ao ar pelo canal Mundo Fox, e marca a volta da Barbara a tv depois de um longo tempo, quem aproveitou pra fazer filmes e peças de teatro, e fundar sua própria empresa de produção. Na verdade a ideia  de Dos Lunas saiu de sua cabeça, de modo que, além da atriz sabemos, há uma outra Barbara que vai dar muito o que falar. 

O que você trouxe de volta à televisão?
Meus fãs foram me pedindo para voltar e eu queria agradá-los. Como eu tinha nove anos sem fazer televisão, decidi fazer esta série onde duas personagens: mulheres sexy e pobres como eles gostam de mim, e do caráter profundo que eu queria. Então eu fiz uma mistura de ambos.


De onde surgiu a idéia de Dos Lunas?
A idéia foi minha. Conversando com meus parceiros acreditam que esta história que fala da identidade humana, de quem realmente somos, que cada vez que se olha no espelho estão esperando encontrar alguém mais jovem e mais feliz, e esconder quem realmente somos. Nós nos adaptamos ao que a sociedade é exigente e nos perdemos no caminho. O homem vive essa situação hoje, como esses dois personagens muito complexos: Soledad e Luna.
 


O que te levou a que a identidade foi o tema central do seu regresso à televisão ?Começamos a desenvolver a história e a implantação de identidade , de quem somos . Tenho passado por muitos processos na minha vida, voltar a ligar esse nascimento , fiz levantamentos e tenho lutado para curar minhas feridas da infância e se tornar um melhor ser humano a cada dia. Eu tento ficar conectado com o meu interior não me contaminar pelo mundo exterior , o que muitas vezes nos leva a lugares onde não se sentem tão bem . Eu tinha uma transição em minha vida onde eu parei para me perguntar o que eu realmente queria : desejo sucesso e fama ou o que se encontra abaixo da superfície ? E o que eu desejo é ser feliz com o que eu sou, uma mulher , ser absolutamente satisfeito com o que tenho conseguido . Vi e eu percebi que estava em um mundo onde queremos mais , queremos pertencer e por que buscar as coisas que conduzem à felicidade. E é disso que a serie fala : quem somos e o que esperamos.

Por um lado, fazendo o papel de uma psicóloga e o outro uma DJ, mas se trata de alguém que tenha dupla personalidade. Você pesquisou sobre o assunto?
Eu venho há dois anos planejando este projeto e comecei a fazer aulas de DJ para interpretar a Luna e foi durante um ano e meio. Além disso, desde que comecei a transformar esses personagens fui para a terapia com diferentes psicólogos. Na primeira, Soledad era um musicoterapeuta, então eu fui para escritores de música terapia, nós nos sentamos com psicólogos para discutir o problema que eles têm de lidar com a dupla personalidade, quando um deles conhece o outro existe, mas a pessoa real não Soledad. Queríamos saber até atingir os limites da realidade para obter um jogo de ficção verossímil. 
 


O que você gosta mais de seus personagens?
O contraste entre as duas mulheres, a dualidade dos personagens. No mundo em que vivemos todos nós temos um ego que quer festa e outra diz que não, porque no dia seguinte você tem que trabalhar. Ambos lutam entre o que nós gostamos de fazer e o que devemos fazer. O que eu gosto é que elas são personagens reais que mudam. Soledad, inicialmente, é uma mulher muito controlada em seu papel como terapeuta. De repente, vemos apodrecendo e acaba sendo alguém completamente diferente do que ela era. Há uma evolução dos personagens.
 


O mais difícil em Dos Lunas?
É uma série ousada, escura e muito sexual. Toda a pré-produção foi muito complicado, é a coisa mais difícil que já fiz. Eu estava muito estressada porque eu tive que começar tudo com os custos, a parte que eu sou forçada a fazer, porque em algum momento da minha vida, eu decidi fazer a minha empresa de produção para criar meus próprios projetos.
 


O que te levou a criar uma empresa?
Passei dois anos sem trabalhar, porque eu não gosto de nada que me ofereceram e se houve algo que me agradou em cinco anos não vai funcionar, então eu comecei a desenvolver meus projetos, o que me levou a fazer isso. Eu gosto deles, mas tem sido difícil de produzir.
 


O que você procura em seus projetos?
Há várias coisas, mas o mais importante sentir quando ler. Às vezes não chega
ao coração, não me faz vibrar, e para mim isso é importante para me causar excitação ou terror, tendo uma mensagem contendo um agir que são desafio complicado e diferente. Eu gosto de coisas arriscadas e há muitos projetos que não são. 

Iniciada em TV, mas não tinha tempo para trabalhar nele. Foi quando você fez mais cinema e teatro. O que você se sente mais confortável?
Cada meio tem sua magia distinta: o teatro é fascinante, porque você não pode mentir ou errar. O filme dá-lhe a oportunidade de crescer, porque você se prepara durante meses para interpretar um personagem, fazendo uma cena de um dia e você deve procurar todos os ângulos. E a televisão tem a sua magia, eu comecei lá, foi a minha escola, eu fiz 10 novelas antes de saltar para o cinema, e de alguma forma aprender a trabalhar rápido. Eu iria com os filmes, mas eu nunca quero parar de fazer teatro.
 















 

Nenhum comentário:

Postar um comentário